Seja bem-vindo! Aproveite o conteúdo abaixo. Esta página não é mais atualizada. Obrigado por sua visita.

Sábado, 13 de Janeiro de 2007

O que você quer?

O que você responderia se Jesus lhe perguntasse: “O que você quer que eu lhe faça?”. Jesus fez essa pergunta para um homem cego. Sua resposta prontamente foi: “Mestre, eu quero ver!”. Leia sobre a cura do cego Bartimeu no evangelho de Marcos 10.46-52.
 
Algumas pessoas vivem tão desnorteadas que há muito perderam o rumo da vida. Na verdade, muita gente está no fundo do poço, e gostaria que tudo acabasse num instante. É possível que várias pessoas desejaram estar numa praia asiática quando vieram as ondas tsunamis. Já teriam sido levadas pelas ondas destruidoras, uma vez que estão sendo levadas de roldão pelas ondas subjetivas, porém não menos reais desta vida. Acredito que muitos estão dizendo como o profeta Jonas: “Para mim seria melhor morrer do que viver” (Jn. 4.8).
 
Por outro lado, existem os otimistas enganados. Eles acham que estão nrista da onda. São cabeças feitas, os pensantes, e até formadores de opiniões. São desconfiados de tudo e não se deixam conhecer na intimidade, tamanha é a insegurança interior em que vivem, mesmo que aparentem equilíbrio e desenvoltura no que dizem e no que fazem. Muitos desses são “intelectuais”, grandes leitores, questionam tudo e sempre têm a última palavra em tudo. Tudo deles é o melhor: a religião, o colégio, o sobrenome da família, o carro, o time, o clube, a caligrafia, o cachorro, o celular, o banco, a academia, e tudo mais. Diga-se de passagem que não estou falando contra a qualidade de vida nem da importância de buscar o melhor. O que quero dizer é que não podemos fazer de nós mesmos o referencial maior da vida. A minha “achologia” não é suficiente para saber o que quero da vida. Os fundamentos da vida não partem de nós mesmos, mas de Deus. “Existe um Deus e eu preciso concordar com ele”. Você aceita o cosmos de Deus, ou o caos próprio. A Bíblia diz: “Há caminho que parece certo ao homem, mas no final conduz à morte” (Pv. 14.12).
 
E você, o que quer? Quase sempre achamos que os nossos desejos são justos e legítimos. Até certo ponto isso é verdade. Deus nos fez com o desejo inerente de querer ser amados e valorizados. O problema é que existe uma palavrinha deveras impopular e quase não pronunciada que se chama pecado. O pecado é capaz de transformar os bons desejos em maus desejos. O que queremos pode parecer normal, mas muitas vezes é uma expressão pecaminosa de orgulho ou egoísmo. E aí temos que enfrentar isso, como Deus falou para Caim: “[...] o pecado o ameaça à porta; ele deseja conquistá-lo, mas você deve dominá-lo” (Gn. 4.7).
 
“O que você quer que eu lhe faça”? É a pergunta do Senhor Jesus para você neste dia. Talvez você queira algo simples, que nesse momento é importante para você, mas se acha impossibilitado de conseguir. Talvez seja algo que somente por um milagre seria possível. Não importa, a pergunta de Jesus continua: “O que você quer...”?
 
Espero que em meio a tantas possíveis respostas que você possa dar para Jesus, esteja o desejo de amar a Deus de todo o coração, força e entendimento; abandonar todo e qualquer pecado, confessando-o a Deus em nome de Jesus, crendo que o sangue de Jesus é capaz e suficiente para purificar-lhe de todo mal; a firme disposição de contribuir com a expansão do Reino de Deus na terra; orar continuamente; ler, estudar e praticar a Bíblia em todos as áreas de sua vida; buscar a Deus em primeiro lugar em sua vida; ter uma família segundo a vontade de Deus.

Enfim, que você e eu possamos responder à pergunta de Jesus, pedindo graça para vivermos para o seu inteiro agrado. Pois se nos deleitarmos no Senhor, ele atenderá aos desejos do nosso coração (Sl. 37.4).
Antonio Francisco às 20:21

:
De Pedro Aurelio a 25 de Janeiro de 2007 às 13:17
PAZ DO SR MEU QUERIDO IRMÃO JÁ ESTA ACTUALIZADO O SEU LINK PÓS ACHOLOGIA 1, E 2
|
De Antonio Francisco a 26 de Janeiro de 2007 às 02:10
Obrigado Pedro pelo seu carinho.
Um abraço.
Antonio Francisco.
|